Defesa Civil intensifica vistorias e interdita mais de 70 moradias no Morro do Macaco

 

Ação preventiva monitora todos os morros da Cidade e visa reduzir riscos de novos deslizamentos; trabalho de vistoria tem parceria com o Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT)

 

 

A Coordenadoria de Unidades de Prevenção e Educação da Defesa Civil de Guarujá está intensificando ações para reduzir riscos de novos deslizamentos nos morros da Cidade.

 

O trabalho começou pelo Morro da Bela Vista (Macaco Molhado), na Vila Edna, na madrugada do último dia 2, onde 78 moradias já foram interditadas por riscos de desabamentos, causados pelas chuvas dos últimos dias em Guarujá, que vitimou centenas de pessoas.

 

De acordo com o geólogo, coordenador de Unidade de Prevenção e Educação da Defesa Civil do Município, a interdição no Morro da Bela Vista (Macaco Molhado) se deu após vistoria técnica, realizada em parceria com o Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), que identificou uma trinca no solo, constatando a presença de risco iminente de novos deslizamentos ao conjunto de casas no entorno.

 

O trabalho de vistoria se estende por todos os morros que sofreram com os deslizamentos. “Caso a Defesa Civil constate, em outros locais, que mais moradias estão sob risco de desabamento, os moradores serão retirados e levados ao local de acolhimento da Prefeitura ou para casas de parentes”, explica o coordenador. Em Guarujá, foram registrados sete deslizamentos, com as situações mais críticas nos morros Morro da Bela Vista (Macaco Molhado) e Barreira do João Guarda.

 

As famílias desabrigadas estão sendo acomodadas na Escola Municipal Professora Dirce Valério Gracia (Av. D. Pedro I, 340 – Jardim Tejereba).

 

No local, os munícipes estão recebendo atendimento médico e psicológico, alimentação e abrigo. Além disso, toneladas de suplementos foram doadas pela população. Voluntários e funcionários estão trabalhando em conjunto para auxiliar os munícipes.

 

Dados atuais de vítimas

Até as 18 horas de sexta-feira (6), foram contabilizados 26 óbitos. Há ainda 41 pessoas não localizadas, além de 248 abrigadas pelo Município.

 

No início desta semana, o acumulado de chuvas em Guarujá atingiu 405 mm em 72 horas, sendo 282 mm só nas primeiras 12 horas, número superior ao previsto para todo o mês de março. Segundo o secretário chefe da Casa Militar e coordenador da Defesa Civil do Estado, coronel Walter Nyakas Júnior, o volume de chuvas extremamente alto foi o que deflagrou a grande quantidade de deslizamentos.

 

Pontos de arrecadação

Os pontos de arrecadação de doações são o Fundo Social de Solidariedade (FSS) de Guarujá (Rua Cavalheiro Nami Jafet, 549 – Centro) e a escola municipal Dirce Valério Gracia (Av. Dom Pedro I, 340). Segundo o FSS, atualmente as prioridades são itens de higiene pessoal (sabonetes, shampoo, creme dental, escova dental, absorventes, desodorantes), fraldas, alimentos não-perecíveis (arroz, feijão, óleo, café e sal) e ração animal. Caso exista a possibilidade de ajudar diretamente vítimas ou regiões afetadas, a atitude também é recomendada.